Quando o assunto é alcançar metas, já começamos a coçar a cabeça.

Eu conheço algumas pessoas que passam muito tempo pensando em todas as alternativas que tem na vida e nas oportunidades que perderam.

No fim das contas, elas passam suas vidas inteiras se sentindo como se estivessem perdendo algo grande a todo momento.

O barco que as levam pela vida, partiu.

Elas perderam sua única oportunidade de serem ricos, famosos e fazer algo realmente incrível.

Conheço alguém que costumava jogar os mesmos números na mega sena todas as semanas. Uma semana, ela estava muito ocupada para receber o bilhete antes que a agência fechasse.

E seus números foram sorteados.

Não houve vencedores naquela semana e o milhões da mega sena passaram para a semana seguinte: 10 milhões de milhões.

Ela nunca se perdoou.

Desde então (isso aconteceu há mais de 10 anos), ela viveu sua vida sentindo seu barco havia partido, tinha passado a única oportunidade que ela nunca mais terá que ser feliz.

Já se foi, é isso.

Ela vivia como se fosse miserável, amarga e ressentida porque não conseguiu fazer algo. Ela sentia que não merecia ser feliz.

Tenho certeza de que a maioria de nós ficaria bastante chateada se isso acontecesse com a gente.

Agora, a questão é: vamos permitir que esse acontecimento tome conta do resto de nossas vidas? Ou devemos considerar a possibilidade de que isso aconteceu por algum motivo?

E se, em vez de passar mais de 10 anos se torturando, essa senhora disesse para si mesma:

“Não é interessante que isso aconteceu? Eu me pergunto por que isso aconteceu daquela maneira? Como eu sei que tudo acontece por você e não para você, esse acontecimento só pode ter acontecido para o meu bem. Então, embora pareça uma grande tragédia, não é nem um erro, nem uma oportunidade perdida. Ooh, eu me pergunto o que a vida planejou para mim daqui para diante? ”

Agora, eu admito que eu teria muita dificuldade em dizer algo desse tipo por um bom tempo, se algo assim tivesse acontecido comigo.

Mas, se eu soubesse que eu estava fazendo todos os esforços para ser rico ou feliz, então eu também saberia que só porque algo não aconteceu da maneira como eu queria, tudo ainda estará bem. Poderei relaxar e deixar o tempo passar.

Nada nunca para você, mas tudo sempre acontece por você.

Só porque não consigo enxergar como algo pode estar sendo bom para mim, não significa que não seja. Contanto que eu fique focado em meus objetivos, tudo o que acontece é que o Universo me move na direção de realizá-los.

Eu concordo com você, é muito mais fácil dizer do que fazer, principalmente no início.

Mas é possível.

É simplesmente uma escolha. Você não perdeu seu barco. Simplesmente não era o barco que você achava que era. Seu barco ainda está lá.

Seu barco ainda está aguardando.

Mas, se você estiver estacionado na vida, olhando para o barco de outra pessoa, se sentindo miserável porque acha que o barco da outra pessoa parece melhor que o seu, ou porque pensa que seu barco deve se parecer assim …

Então, você nunca vai encontrar seu próprio barco. Você nunca vai viver sua própria vida.

Pare de olhar para a vida das outras pessoas, desejando que a sua vida fosse assim.

Dicas para alcançar metas

Escreva sobre como você deseja que sua vida seja, em detalhes.

Continue escrevendo semanalmente, primeiro e depois mensalmente.

Escreva sobre como será o seu dia.

Diga a si mesmo como sua vida vai acontecer.

Procure por provas de que está indo aonde quer chegar e ignore todas as evidências que digam o contrário.

Concentre-se e coloque energia no que está funcionando.

Observe o que não está funcionando e escreva sobre como você quer que isso seja.

Lembre-se: tudo acontece por você, não para você.

Seu barco está esperando por você. Não desperdice sua vida chorando pelo o barco de outra pessoa.

 

[Designed by Freepik]


Sidnei Bonfim
Sidnei Bonfim

Escritor, estudioso da espiritualidade, médium e palestrante. Utiliza este site para divulgação das suas ideias, auxiliando pessoas que desejam fortalecer sua conexão universal e progredir no seu desenvolvimento espiritual.